WEST 1

Intercâmbio

  • Nossos Destinos
  • Austrália
  • Canadá
  • Irlanda
  • Nova Zelândia
  • Sobre nós
  • Blog
  • Nossos Serviços
  • Sobre a WEST 1
  • Social Media links
  • West 1 TV
  • Escolas e Cursos
  • Agências
  • Fale Conosco
  • Jardim em Victoria no Candá

    VICTORIA

    Snapshot

    Overview

    População

    85.792 (Censo 2016)

    Área

    19,47 km² (Censo 2016)

    Fuso Horário

    Victoria fica na mesma zona que Vancouver, isto é, do lado Oeste, bem perto do Oceano Pacífico. Portanto, em relação ao horário de Brasília são quatro horas de diferença (quatro horas a menos em Victoria). ** E no Horário de Verão? O Daylight Saving Time (horário de verão canadense) começa sempre na segunda semana do mês de Março. Durante esse período a diferença com o horário de Brasília é a menor de todo o ano: 4 horas de diferença, até o mês de Outubro. No primeiro domingo do mês de Novembro o horário volta ao normal e a diferença com o Brasil aumenta para 6 horas. Somente no período em que ainda não terminou o horário de verão lá e já começou o nosso - durante o mês de Outubro- essa diferença é de 5 horas.

    Código Telefônico

    +1 +250 +1 (código do Canadá) / + 250 (código de Victoria)

    Localização (Região)

    Victoria é a capital da província da Colúmbia Britânica e está localizada na região sul da Ilha de Vancouver, na costa oeste do Canadá.

    Data de fundação

    14 de março de 1843

    Índice de melhor cidade para se viver

    Não há / não localizada.

    Densidade demográfica

    4.405 hab./km² (Censo 2016)

    Custo de vida

    Estimativa mensal para uma pessoa (sem aluguel): CAD 1.059,80

    Temperatura média

    Mínima média anual: No inverno entre os 0ºC e 8ºC, em Janeiro, o mês mais frio; Máxima média anual: No verão, entre junho e setembro, a temperatura em média é em torno dos 20ºC.

    Climate

    Com média anual de mais de duas mil horas de sol e oito meses livres de chuvas e geadas, Victoria proporciona aos seus moradores e visitantes um dos climas mais amenos do Canadá. Localizada em uma zona sub-mediterrânea, a cidade apresenta baixas taxas de umidade, e uma brisa quase que constante traz alívio nos dias de verão.
    Embora os invernos sejam mais amenos, se comparado com outras cidades canadenses, e raramente neve, entre novembro e março, normalmente é preciso caprichar nos agasalhos. Sobretudo, em janeiro, o mês mais frio por lá.

    Lifestyle

    Cidade pacata e bastante charmosa, graças à preservação de seu centro histórico e influência britânica em sua fundação

    History

    A história da cidade de Victoria começa na colonização por habitantes da Costa Salish (Salishan)-nativos americanos há mais de dez mil anos. Naquela época, a região era conhecida pela Costa Salish como Camosun ou Camosack. Em 1778, o explorador capitão James Cook ancorou por lá acompanhado de George Vancouver, que retornou em 1792 para inspecionar a ilha. Como o comércio de peles se estabeleceu na região, a Companhia da Baía de Hudson dominou a região e, em 1843, estabeleceu o nome Forte Camosun - mais tarde chamado Fort Albert e depois Fort Victoria, em homenagem à rainha britânica.

    Em 1849, Vancouver Island tornou-se uma colônia da coroa britânica com o Fort Victoria como sua capital. Mais colonos chegaram e uma pequena vila surgiu perto do forte. No início da década de 1850, o local da aldeia havia sido formalmente pesquisado e, em 1852, o assentamento recebeu o nome de Victoria. Nessa época, os interesses da agricultura e mineração aos poucos iam substituindo os de pele.

    Em 1858, a partir da descoberta de ouro ao longo das margens do rio Fraser e depois no interior da região de Cariboo, ambos no continente britânico, a região, incluindo Victoria, foi tomada por um fluxo de cerca de 30 mil exploradores (muitos deles americanos e chineses), a maioria dos quais usava Victoria como porto de entrada para o continente e como centro de fornecimento para seus empreendimentos de mineração.

    Em 1865, a Marinha Real designou uma base naval existente em Esquimalt (agora um subúrbio de Victoria), no lado oeste do porto, como sua sede no Pacífico, estimulando ainda mais o crescimento populacional na região. Durante esse período, Victoria tornou-se a cidade mais importante da região oeste do Canadá. O porto protegido da cidade facilitou os serviços de importação e exportação para toda a colônia, e a agricultura, mineração e a pesca favoreceram a geração de emprego. Victoria tornou-se, então, o centro financeiro da colônia e o foco da indústria, com um moinho de farinha, sabonetes, fábricas de gás, curtumes e tijolos, além de fábricas de panificação, fabricação de cerveja e destilação.

    Em 1886, a chegada da Canadian Pacific Railway (CPR) em Burrard Inlet, perto de Vancouver, fez de Victoria um porto internacional conectado ao resto da América do Norte por via férrea.

    A paisagem urbana e a economia de Victoria foram desafiadas ao longo do tempo pelo crescimento de comunidades vizinhas, parques industriais e grandes shopping centers a uma curta distância, mas o centro financeiro e sua região preservaram o charme britânico do “Velho Mundo”.

    Cost of Living

    Estimativa mensal para uma pessoa (sem aluguel): CAD 1.059,80

    Public Transport

    Na ausência de trens ou metrô, Victoria dispõe de diversas linhas de ônibus que contemplam todos os bairros e prestam um serviço público de transporte de excelência.
    Antes de embarcar, uma dica é se antecipar e adquirir bilhetes diários ou mensais em lojas de conveniência. Na ausência dos tickets você vai precisar ter em mãos o valor exato da passagem, pois os motoristas não lidam com dinheiro, então, não há possibilidade de troco.
    O centro da cidade é bem compacto, o que também favorece o deslocamento por lá. Ao longo dos anos, a população tem aderido cada vez mais ao ciclismo para se deslocar na cidade, e os ônibus também estão preparados para transportar as bikes.

    Estude e trabalhe
    em VICTORIA

    Capital da província da Colúmbia Britânica, Victoria está localizada na região sul da Ilha de Vancouver, na costa oeste do Canadá.  Nomeada em homenagem à Rainha Victoria do Reino Unido, a pequena e charmosa ilha esbanja cultura e história em seus pontos turísticos, já que parece incutir, em muitos deles, o glamour de ter sido foco da realeza britânica no passado.  O Hotel The Empress (Imperatriz) é um exemplo disso. Construído entre 1904 e 1908, seu título é outra alusão à Rainha. O hotel tem mais de 450 suítes e o estilo arquitetônico dos chatôs ingleses, da era do Rei Eduardo.

    A Cidade Jardim, como é carinhosamente chamada, merece todos os atributos, já que esbanja qualidade de vida, segurança e simpatia do seu povo aos que vem de fora. Graças à beleza de sua costa e praias no entorno, o destino é muito popular entre velejadores e surfistas que desfrutam do clima temperado e ameno, geralmente, sem neve de Victoria.

    Quando comparada a Vancouver e Toronto, a condição climática é apenas uma das vantagens da pequena Victoria para os intercambistas. Dentre os pontos positivos destacam-se também os preços mais acessíveis e menor incidência de brasileiros — o que favorece a imersão na língua e cultura local.

    Sem contar que a partir de Victoria é possível viajar para Seattle, nos Estados Unidos, ou então conhecer Tofino, uma das principais praias canadenses.

    Você sabia?

    • 'Seattle'

      A partir de Victoria é possível viajar até Seattle, nos Estados Unidos, de ferry boat ou avião
    • 'Chinatown'

      O bairro Chinatown de Victoria é o segundo mais antigo da América Norte, depois de São Francisco, na Califórnia
    • 'homenagem'

      Victoria recebeu esse nome em homenagem à Rainha Victoria do Reino Unido.

    Saiba tudo sobre intercâmbio em VICTORIA

    Descubra porque estudar em Victoria com a WEST 1

    FAQ

    • 1) Por que estudar em Victoria

      Quando comparada a Vancouver e Toronto, a pequena Victoria apresenta algumas vantagens aos intercambistas que já escolheram o Canadá como destino. Dentre elas estão: clima mais ameno, preços mais acessíveis e menor quantidade de brasileiros — o que favorece a imersão na língua e cultura local. Além da gama de escolas de idiomas e cursos vocacionais, Victoria oferece duas opções de universidade: a Royal Roads University e a University of Victoria. Juntas elas contemplam diversas áreas de estudo como Comunicação, Tecnologia, Liderança, Turismo e Empreendedorismo.
    • 2) 7 Motivos para estudar em Victoria

      1. Estudante full time pode trabalhar 20 horas por semana (e em tempo integral durante as férias);
      2. Clima mais ameno se comparado a Vancouver e Toronto
      3. Ensino do inglês com acento bastante limpo, de fácil compreensão
      4. Segurança e qualidade de vida
      5. Receptividade dos moradores aos imigrantes
      6. Próxima à Tofino, uma das melhores praias do Canadá
      7. Localização permite viagem à Seattle, nos EUA
    • 3) Sobre Victoria

      Capital da província da Colúmbia Britânica, Victoria está localizada na região sul da Ilha de Vancouver, na costa oeste do Canadá.  Nomeada em homenagem à Rainha Victoria do Reino Unido, Victoria é uma das cidades mais antigas no noroeste do Pacífico e carrega na maior parte dos seus pontos turísticos o glamour desse peso histórico. Os exuberantes Hotel Imperatriz e Edifício do Legislativo são prova impregnada disso, graças às arquiteturas cuidadosamente preservadas. A Cidade Jardim, como é carinhosamente chamada, merece todos os atributos, já que esbanja qualidade de vida, segurança e simpatia do seu povo aos que vem de fora. Graças à beleza de sua costa e praias no entorno, o destino é muito popular entre velejadores e surfistas que desfrutam do clima temperado e ameno, geralmente, sem neve de Victoria.
    • 4) Acomodação em Victoria

      Os custos de acomodação variam de acordo com o estado, a cidade e o tipo escolhido. Mas, independentemente do seu destino, na hora de pesquisar um lugar para morar tenha sempre em mente a distância em relação a sua escola e a acessibilidade via transporte público. Dito isso, vamos aos tipos:

      Curto prazo

      Hostels Backpackers (Albergues)

      Os hostels são boas opções para quem deseja economizar com acomodação. Os quartos em geral são coletivos, mas também há de casais e individuais. Preferidos dos viajantes jovens, os ambientes são bem descontraídos, de muita socialização e, com isso, muito procurados nas altas temporadas.

      Lodges

      São espécies de pousadas que oferecem quartos individuais, de casais e coletivos. O ambiente é menos agitado e mais privado do que os hostels, os preços são um pouco mais caros, mas ainda mais em conta do que os hotéis.

      Longo prazo

      Homestay (casa de família)

      A WEST 1 recomenda que, pelo menos nas primeiras semanas, o estudante se hospede em uma homestay, que são casas de famílias australianas ou de imigrantes que já estão há muitos anos no país. É lá que o estudante começa a ter contato com a cultura australiana, exercita o que aprende na escola, conhece a cidade e tira dúvidas. Para participar deste tipo de programa, as famílias são credenciadas pelo governo australiano, o que garante total segurança para o estudante.

      Share accommodation

      Após o período da homestay, o estudante já está mais familiarizado com a escola e a cidade. Sentindo-se mais independente, o passo seguinte é dividir um apartamento ou um quarto com outros estudantes, muitos deles de nacionalidades diferentes, o que é uma experiência muito bacana, além de ser ótimo para aprimorar o idioma. O aluguel, na maioria das vezes, é pago semanalmente, e antes de se mudar é preciso depositar o famoso “bond”, que nada mais é do que um adiantamento que varia de duas a quatro semanas do aluguel.
    • 5) Trabalho em Victoria

      Para que o intercambista concilie estudo e trabalho no Canadá, é preciso estar matriculado em um curso cuja carga horária seja full time, com, no mínimo seis meses de duração. Além das inúmeras opções em Ensino Superior, você poderá optar cursos vocacionais, tais como Hospitality Management, Business Management etc. Cursos de idiomas não concedem direito a trabalho. Os cursos vocacionais (ou career colleges) são mais acessíveis e exigem um nível mais baixo de compreensão do inglês, se compararmos com o ensino universitário. Ainda assim, em muitos dos casos, essa categoria permite que o aluno trabalhe durante 20 horas por semana durante os estudos. No entanto, é preciso ainda que o curso escolhido possua o componente Co-op. Não se trata de um tipo de curso e sim de um componente do programa escolhido, no qual o aluno é obrigado a estagiar após a conclusão do curso (seja ele universitário ou vocacional). Uma maneira de praticar a teoria exposta em sala de aula. Uma vez cumpridos esses requisitos da imigração canadense, você poderá solicitar o work permit, documento de autorização de trabalho que possibilita trabalhar 20 horas semanais durante o período das aulas e 40 horas semanais durante as férias. Dentre os segmentos que mais geram emprego estão hospitalidade e atendimento ao cliente em geral, com oportunidades em hotéis, restaurantes, eventos em geral e também no chamado retail, ou lojas de varejo. Victoria, particularmente, prospera muito no setor de tecnologia, que, já há alguns anos, passou a ser seu maior gerador de receita da indústria privada. Importante: para trabalhar no Canadá você também vai precisar efetuar cadastros gratuitos no Individual Tax Number (ITN) e Social Insurance Number (SIN). Trata-se de documentos requeridos pela legislação local para fins de recolhimento de impostos e identificação da força laboral por agências governamentais. A WEST 1 orienta sobre como obtê-los.
    • 6) Atrações em Victoria

      A pequena e charmosa Victoria esbanja cultura e história em seus pontos turísticos, pois parece incutir, em muitos deles, o glamour de ter sido ponto de interesse da realeza britânica no passado.  O Hotel The Empress (Imperatriz) é um exemplo disso. Construído entre 1904 e 1908, seu título é uma homenagem à Rainha Victoria na ocasião em que foi nomeada Imperatriz da Índia. O hotel tem mais de 450 suítes e estilo arquitetônico dos chatôs ingleses da era do Rei Eduardo. A boa notícia é que não é preciso se hospedar por lá para visitar e sentir toda a exuberância do local. O hotel é um dos prédios que compõem a orla da cidade, centro histórico e porto de Victoria. A região é outro ponto de interesse para quem curte uma caminhada com bela paisagem e atrativos como as dezenas de barraquinhas com artesanato local, restaurantes e apresentação de artistas de rua. Ah! Aproveite para apreciar o pôr-do-sol de lá, que é lindíssimo! Partindo do cais de Victoria é possível seguir em um passeio imperdível para observar baleias. O tour leva cerca de 3 horas e com sorte você verá os animais bem pertinho ao barco. O jardim ornamental Butchart Gardens fica ainda mais atraente no verão. Vale a pena percorrer os 23 quilômetros ao norte da cidade para conferir seus mais de 220 mil metros quadrados repletos de flores, plantas, fontes e riachos. Eis um verdadeiro refúgio para seus visitantes, ao propor paz e tranquilidade em meio à correria do dia a dia há mais de 100 anos. Victoria também possui o Butterfly Gardens, um borboletário com mais de 200 espécies de orquídeas e milhares de plantas tropicais, até mesmo carnívoras. Além disso, não deixe de visitar Royal BC Museum – que reúne um rico acervo contando a história de British Columbia desde a era pré-histórica, os primeiros povos que habitaram o oeste do Canadá até os tempos atuais. Que tal um final de semana diferente em uma escapadinha para os Estados Unidos? A partir de Victoria é possível! Basta pegar o ferry boat e em 1h30 desembarcar em Seattle. Outra viagem obrigatória para quem estiver morando por lá, especialmente durante o verão, é Tofino, uma das melhores praias do Canadá, localizada na costa oeste da ilha de Vancouver, cerca de 300 km de Victoria. Em apenas 4 horas de ônibus é possível navegar de caiaque, fazer canoagem, paddle boarding ou surf.

    Mapa de VICTORIA